110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube


Este mês o Coletivo de Presos/as Independentistas Galegos/as (CPIG) realiza o seu jejum reivindicativo a quarta-feira 30. Vinte e quatro horas sem comer em protesto polas duras condiçons de vida que se lhes imponhem na cadeia, contra o isolamento e contra a dispersom.

Para acompanhá-los, as concentraçons solidárias realizarám-se também a quarta-feira, em lugar da sexta-feira habitual. Animamos-vos a participar nestes atos, acompanhando às familiares e amigas em datas em que a ausência dos nossos irmaos e irmás se faz notar com especial intensidade.

 


O jovem ponte vedrês que conseguiu impingir um bofetom a Mariano Rajoy foi encarcerado hoje num Centro de Menores de Ourense. Os juízes e fiscais do regime assanham-se com o rapaz, imponhendo-lhe umha medida desproporcionadíssima, com o evidente objetivo de dissuadir, por meio de umha resposta tam brutal, a quem se atreva a plantar cara aos poderosos.

A dupla vara de medir do Estado fica clara neste caso. Por um bofetom ninguém vai preso na Galiza, e menos ainda sendo menor de idade. O que o juiz castiga com cárcere nom é um bofetom, senom umha afrenta ao poder espanhol; da mesma maneira que ao punir ao jovem o juiz nom pretende que deixem de existir os bofetons na Galiza, senom que a gente comum nom pense em impingir-lhos aos que mandam. O encarceramento deste moço é umha medida para manter à populaçom submissa.

A dupla vara de medir também se aprecia entre os políticos e jornalistas. Quando se ajoelham perante o discurso oficial de "condena da violência", estám a silenciar com cumplicidade a verdadeira violência que se vive neste país, ao lado da qual o bofetom é umha anedota. A violência que os subordinados de Rajoy, às suas ordens, praticam diariamente contra a gente: as cargas policiais (onde se repartem muito mais que bofetons), as detençons de ativistas políticos e a ilegalizaçom de Causa Galiza, as torturas nas esquadras e prisons, os despejos de famílias deixadas na rua a ponta de pistola, etc.

Sem entrar a valorar a decisom do jovem de responder a Rajoy com umha pequena devoluçom da violência, de Ceivar (Organismo Popular Antirepressivo) solidarizamo-nos com ele pola desmedida repressom que sofre, e exigimos a sua libertaçom imediata e incondicional, bem como o fim da campanha de linchamento público orquestada pola polícia e executada servilmente polos meios de comunicaçom do regime.

Solidariedade com Andrés!

Queremo-lo na rua!

Paremos o fascismo.

 

almanaque3

Mais um ano, os presos do CPIG colaboram na ediçom do calendário de Ceivar. Antom Santos assina os desenhos deste ano, com umhas formosíssimas ilustraçons baseadas nas fotografias de Ruth Matilda Anderson, tomadas nas suas viagens pola Galiza nos anos 1920.

Um magnífico presente do Apalpador que podes conseguir em muitos locais e centros sociais do país por só 10 €. Esta é umha primeira listagem de pontos de distribuiçom, que iremos atualizando nos próximos dias:

Em Compostela os calendários vam-se poder mercar: no Pichel, na livraria Pedreira, na Livraria Couceiro, Livraria Ciranda, Pub Avante.
Em Lugo no Centro Social Madia Leva
Em Noia no Centro Social Harar
Em Burela no CS Xebra
Em Ourense no bar Lusco-Fusco

Se queres comprar-no-lo diretamente, escreve-nos a Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar .

 

 

O livro O Teito é de Pedra, escrito polos expresos independentistas, está desde esta semana à venda nas livrarias de Compostela, em concreto na Pedreira, Couceiro, Ciranda e Numax.

Baseado nas experiências pessoais dos ativistas encarcerados nos últimos anos, o livro descreve as condiçons de vida às que se enfrentam os independentistas nas prisons espanholas. Um raio de luz que ilumina as tebras nas que o Estado mergulha as prisons, permitindo-nos achegar-nos, se quer com a imaginaçom, às rotinas e desafios que constituem o dia-a-dia das nossas irmás e irmaos. O livro ajuda-nos também a conhecer as luitas pola sua dignidade e a contribuiçom à luita de libertaçom nacional que os presos e presas mantenhem em condiçons tam difíceis.

Editado por Ceivar, o livro vai já pola segunda ediçom, e os seus ganhos destinam-se exclusivamente à luita anti-repressiva e à solidariedade com os retaliados.

 

CWSQIMzUYAAYMV2O Secretário de Organizaçom do BNG declarou no dia de hoje perante a Audiencia Nacional em Madrid em qualidade de testemunha no processo aberto contra o partido independentista Causa Galiza. Durante umha hora prestou declaraçom ante o juiz Eloy Velasco de quem afirmou que está “em sintonia com o Partido Popular, partido que emprega o que seja para tentar erradicar o nacionalismo galego”. Igualmente referiu que a Audiencia Nacional “nom se pode esquecer que é um tribunal de excepçom” e que “se se trata de julgar a violência, que chamem ao PP que sabe muito dela, da que usa contra o povo galego, contra os trabalhadores, contra os estudantes...”.

Várias pessoas acompanhárom a Bieito Lobeira até o edifício judicial em Madrid namentres outras pessoas se concentravam às portas da sede do BNG em Compostela portando um cartaz com a legenda “Eu também declaro... Som nacionalista, nom nos calarám”.

A valoraçom política feita por Lobeira em Madrid é que nom foi casual a citaçom prévia às eleiçons do 20 de Dezembro já que o Partido Popular “procurava umha foto de dirigentes do BNG entrando na Audiencia Nacional e conseguírom-na”. Igualmente indicou que é “escandaloso que um tribunal de excepçom como a Audiencia Nacional, tenha a intençom política clara, calculada e descarada de desacreditar ao nacionalismo galego e de erosionar as expectativas electorais da sua expressom nestas eleiçons”.

Novas citaçons

Tanto Bieito Lobeira como o Porta-voz nacional do BNG, Xavier Vence, estavam chamados a declarar o passado 14 de Dezembro. Ao estar em campanha eleitoral ambos solicitárom um apraçamento da citaçom que foi cumprida em parte, Lobeira declarou no dia de hoje e Vence o vindeiro 21 de Dezembro.

Nos vindeiros dias também prestará declaraçom S.G., membro de Causa Galiza e quem por motivos de saude nom o deslocárom à dependências da Guardia Civil em Madrid durante a operaçom Jaro decorrida na última fim de semana de Outubro.

 

0198Segundo denunciou a organizaçom Amnistía Internacional nos últimos dias, a liberdade de expressom está a ver-se cada vez mais reprimida a escala mundial. Igualmente assinala que as pessoas que tratam de exercer este direito som submetidas com maior frequência a sançons e a juízos diante de tribunais.

Respeito ao Estado Espanhol, Amnistía Internacional sublinha que a entrada em vigor da Ley Orgánica de Seguridad Ciudadana (LOSC), também conhecida como Lei Mordaça, e a reforma do Código Penal “están amenazando el ejercicio de derecho de reunión y de expresión”. A isto engadem que a Lei Mordaça “amplía los poderes a la policía sin ofrecer salvaguardias para los ciudadanos y contiene limitaciones a los lugares y a las fechas en las que se pueden celebrar manifestaciones”. Do mesmo jeito mostra a sua preocupaçom polo facto de nom poder gravar em vídeo atuaçons policiais já que entendem que estas imagens som fulcrais para evidenciar o uso excessivo da força mais outros abusos dos polícias.

Do Código Penal salienta que contém “una definición demasiado amplia y vaga sobre algunos delitos de terrorismo”. Finalmente afirma que muitos dos comentários nas redes sociais que fôrom postos baixo sançom judicial, estám socavando os direitos de expressom.

Mais umha organizaçom internacional soma-se às numerosas vozes de coleitivos, organismos, instituçons e demais entes que condenam os enormes saltos qualitativos que está levando a cabo o Estado Espanhol respeito aos recortes de liberdades e de direitos fundamentais e à sua umha única vara de medir, a repressom.

 
Mais artigos...
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

1 920422340620189774

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014