110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

banner

jefa-brigadaO Julgado do Penal nº2 de Ourense emitiu esta mesma manhá a sentença contra os sete estudantes julgados o passado 18 de Fevereiro deste ano por altercados na biblioteca municipal de Ourense. Assim, dous deles fôrom sentenciados a dous anos de prisom polo delito de “atentado contra a autoridade” e outro foi condenado a um ano de prisom polo mesmo motivo. As três pessoas nom ingresarám no cárcere por carecer de antecedentes penais. Os outros quatro estudantes ficárom totalmente livres de responsabilidade penal.

Os factos decorrérom em Outubro de 2012 após umha greve estudantil lembrada polo amplo apoio popular. Após o remate da manifestaçom um nutrido grupo de pessoas chegou até a Biblioteca Pública da cidade das Burgas para pendurar umha faixa na fachada. A Policía irrompeu com brutalidade namentres o estudantado tratava de repeler as agressons policiais, finalmente colocárom a faixa e os/as estudantes saírom do edifício público sem ser identificadas/os. As petiçons que afrontavam os sete jovens eram de entre três e cinco anos de prisom e multas de até 5.000 euros.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR exprememos toda a nossa solidariedade com as/os estudantes retaliadas/os e animamos a continuar combatendo a mercantilizaçom do ensino, a privatizaçom, a espanholizaçom e os dogmas machistas e eclesiásticos que o Governo de Feijóo e de Mariano Rajoy procura implantar nas aulas galegas.

Stop repressom contra o futuro!!

 

cartaz04web-fimEste vindeira findeira sexta feira, o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR estaremos junto com outros entes políticos e sociais nas ruas galegas para acompanhar às/aos presas/os independentistas galegas/os no seu jejum mensal. Este ato de protesto que se realiza todas as sextas de fim de mês tem como finalidade os seguintes objetivos:

1- Reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras/os políticas/os.

2- Fim da política de dispersom penitenciária.

3- Reagrupamento dos membros do coletivo numha prisom em território galego.

4- Cessamento do regime de reclusom nos centros de menores.

5- Melhora geral das condiçons de vida nas prisóns.

CEIVAR secundará as mobilizaçons convocadas o dia 24 DE ABRIL nas principais vilas galegas e anima a todas as solidaridades a respostar com força ante o modelo penitenciário espanhol. Ademais tomará-se umha imagem para parabenizar a Heitor Naia e a Raúl Agulheiro polo seu aniversário.

BURELA: Praça do Concelho às 20h30 + Ceia vegana anti-repressiva no C.S. Xebra!
COMPOSTELA: Praça da Galiza às 20h30
CORUNHA: Cantóm Obelisco ás 20h30
FERROL: Praça do Concelho às 20h
LUGO: Praça Maior às 20h30
OURENSE: Praça do Ferro às 20h30
PONTE VEDRA: Praça da Ferraria às 20h00
VIGO:  Marco (rua Príncipe) às 20h00
PONTE-AREIAS: Diante do Concelho às 20h00
 

Sin_ttuloO local associativo Rompe el Círculo de Móstoles foi o lugar que albergou no sábado 18 de Abril a jornada internacionalista que tivo a Galiza como protagonista. Organizada polo Comité de apoio ao Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR constituido em Madrid,  o evento contou com a participaçom dum membro de CEIVAR que apresentou o livro escrito ex-presas/os independentistas “O teito é de pedra” e desenvolveu umha palestra sobre os processos repressivos na Galiza. Aliás, a jornada contou com a projeçom dum vídeo elaborado polo Comité de Apoio sobre as luitas populares na Galiza, umha degostaçom de produtos gastronómicos galegos e umha escolma de músicas do País.

Por volta dum cento de pessoas participaram das diferentes actividades programadas, mostrando grande interesse por conhecer os diversos aspectos da situaçom sócio-política e cultural galega.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR queremos parabenizar e agradecer o enorme trabalho desenvolvido polas companheiras do Comité de Apoio, asemade mostrar a nossa gratitude e satisfacçom pola boa acolhida que tivo a jornada e o carinho e arroupamento do que fomos objeto por parte das gentes dos movimentos sociais de Móstoles. Por outra parte, e como transmitimos no próprio dia, solidarizar-nos com todas  as pessoas que estám a ser repressaliadas em Madrid pola sua militáncia política e social.

 

2010-01-16_IMG_2010-01-09_00.25.40__2394327Várias associaçons da esfera jurídica e de Direitos Humanos denunciárom os maus tratos, as torturas e as constantes vulneraçons de direitos nos centros penitenciários galegos com especial incidência nos de A Lama e Teixeiro. Numha rolda de imprensa celebrada no dia de ontem no Colégio de Advogadas/os de Vigo, mais de médio cento de organizaçons – entre as que se atopam Esculca e Avogados Novos- davam a conhecer um comunicado para “pôr em conhecimento da opiniom pública a situaçom de vulneraçom de Direitos Humanos no nosso ámbito profissional”.

A representante do Observatorio para a Defensa dos Direitos e Libertades Esculca, Iolanda Ferrreiro, lembrou que em dez anos apresentárom-se mais de vinte denúncias em prisons galegas por casos de maus tratos embora somentes numha ocasiom os funcionários fôrom chamados a declarar ante um juiz. Igualmente nas declaraçons houvo referência às deficiências sanitárias e alimentárias assim como à super-populaçom nos cárceres. A isto engadiu-lhe as travas com as que se atopam as defesas para visitar às/aos suas/seus clientes e a dificultade para solicitar as gravaçons das cámaras dos módulos de isolamento onde, fruto da impunidade, funcionários agredem às/aos presas/os.

Ante esta situaçom as organizaçons assinantes urgem às administraçons a fazer efetivo o respeito aos direitos das pessoas presas, quendas de letradas/os de ofício para o regime penitenciário e que se investiguem até o final as mortes nas prisons.

Um dos exemplos citados foi o do gaditano Javier Guerrero de 33 anos e em greve de fame desde o passado mês de Dezembro na prisom de A Lama. Após perder 20 quilos de peso e estar com a saude deteriorada, nom tem podido ver nem falar com nengum familiar desde o seu ingresso. Guerrero entrou em prisom no 2004 por delitos contra a saude pública e furtos, passou três anos na prisom de Zaragoza e após manter nesse cárcere outra greve de fame, estes anos nom se lhe descontárom da sua pena.

Absoltos quatro funcionários por vender discos piratas aos presos de Teixeiro

Mais de dez anos demorou a Justiça em resolver a acusaçom que tinham pendentes quatro funcionários do centro penitenciário de Teixeiro pola venda ilegal de discos de música. Em 2004 suspeitou-se desta atividade dentro da prisom e o resultado foi umha requisa de mais de 2.000 cópias de discos que os carceleiros vendiam aos presos obtendo umha ganáncia de entre 2 e 3 euros por cada unidade.

Polo delito contra a “propiedade intelectual” a petiçom era de dous anos de prisom e outros tantos de inabilitaçom mas os quatro funcionários fôrom absoltos por ter prescrito o delito.

 

DSC_1270O 17 de Abril é um dia assinalado para os Povos do mundo que, a causa das suas luitas populares, contam com presas/os políticas/os dentro das prisons do Estado que as/os reprime. Desde o 2004 esta data marcou-se como o Dia Internacional de Apoio às/aos Presas/os Políticas/os e na Galiza também secundamos um ano mais a convocatória.

A passada sexta feira membros do Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR pendurárom faixas por várias localidades do País em lembrança e apoio a quem estám padecendo as consequências de trabalhar por umha Galiza soberana, equitativa e justa. Igualmente essa mesma noite em Compostela celebrou-se um concerto solidário com as atuaçons de Leo de Matamá e Mini e Mero.

Por outra banda, umha delegaçom de CEIVAR acudiu até Vilafranca del Panadés (Països Catalans) convidada polo coleitivo de apoio à presas/os políticas/os Rescat. Durante a jornada do sábado CEIVAR ofreceu umha palestra sobre a situaçom repressiva na Galiza acompanhada por Que voltem para a casa! quem se centrou na vulneraçom dos Direitos Humanos das/os presas/os independentistas galegas/os.

Já durante a tarde um nutrido grupo de galegas/os secundárom a manifestaçom para pedir a liberdade das duas catalanas independentistas Marina e Lola e finalmente durante o concerto da noite o grupo Inadaptats tivo umha mençom especial para Heitor Naia, quem durante ums anos morou em Barcelona.

 

Reproduzimos a continuaçom do comunicado que o Coletivo de Pres@s Independentistas Galeg@s publicou no seu blogue no dia de ontem perante o Dia Internacional d@s Pres@s Polític@s:

logo_cpigNestas datas previas ao 17 de Avril, Dia Internacional de Apoio aos/ás Pres@s  Políticos, o C.P.I.G. como ven sendo habitual, dirigimos a nossa comunicaçom  pública, valorando o contexto actual que entrentamos @s prisioneir@s polític@s  independentistas e as perspetivas que se abrem na nossa luita coletiva em defesa dos  nossos direitos e objetivos politicos.

Este ano veuse umha especial significaçom para o movimento  independentista e a  solidariedade política com @s pres@s galeg@s ao cumprir-se dez anos do início de  umha nova xeira, practicamente ininterrompida, com prisioneir@s independentistas
galeg@s  nos cárceres espanhois. nesta década a intervençom armada sostida pola  resistência galega foi capaz de gerar umha conflitividade política que trouxo  consigo detençons e encarceramentos, dispersom e rigoroso régime carcelário junto a  um incremento da excepcionalidade penal aplicada aos/ás repressaliad@s galeg@s. À  par de tudo isto, assistimos com confiança e satisfaçom à acumulaçom de força da  solidariedade anti-repressica e à assistência integral ao nosso Coleitivo. Devemos
hoje, reconhecer publicamente o enorme trabalho desenvolto polo Organismo Popular  Anti-repressivo Ceivar e pola Associaçom Cidadá Que Voltem a Casa!, que con acerto e  esforço militante  fortalecerom umhas referências ineludíveis na luita contra a  repressom espanhola.

Desde os dous lados dos muros, socializamos  a situaçom d@s pres@s independentistas,  ampliamos a sensibilidade ante as vulneraçons de direitos e a política carcerária  aplicada ao C.P.I.G. mantmos umha dinámica de resposta e mobilizaçom frente a  repressom, fomentamos umha cultura militante que nos garante respeito e  referencialidade nas cadeias. Estes som exemplos da pertinência e validez da luita  coletiva nos cárceres e nas rúas, estamos convencidos de que continuaremos obtendo  melhoras e avances, aproximándo-nos aos objetivos de traslado à Terra  e  agrupamento, como passo prévio à liberdade.

Chegados a este ponto, nom podemos deixar de reconhecer que a política penitenciária  espanhola, caracterizada pola chantagem e a separaçom do nosso espaço social e  político, foi capaz de fazer-nos dano, provocando a derrota e claudicaçom de alguns  presos. Nom devemos deixar de lembrar que nesta década, a inmensa maioría  d@s  irmaos/ás mantivo a dignidade  militante e a fidelidade à luita. Dezaoito militantes  fomos encarcerad@s, d@s quaias só quatro rematarom optando por saídas  individualistas e desleais á luita coletiva. A eleiçom individual ademais do que supom para @ pres@ que ensaia essa falsa saída, reforça a política penitenciária de castigo que continuam sofrendo @s militantes do Colectivo e nom pode gerar mais que a firme opossiçom do C.P.I.G. e do movimento popular. Nesta luita, necessitamos o apoio incondicional do movimento popular, nom ha mais alternativas que a unidade arredor do Colectivo de Pres@s Independentistas Galeg@s, exigimos lealdade e firmeza com o nosso Colectivo, resumirémo-lo em umha frase clarificadora " dentro do Colectivo todo, fóra do Colectivo nada". Desde o respeito e a irmandade todo se pode falar, proponher e valorar, desde o individualismo ninguem deve esperar nada da Galiza patriota e solidária.

Nós, combatestes pres@s, galeg@s e orgulhos@s, mantermos a unidade militante, reivindicando a nossa condiçom de pres@s polític@s, participando das reivindicaçons, cuidando os nossos vinculos, dispost@s a defender-nos colectivamente ante qualquer necessidade de um/ha irmao/á. Sabemos que voltaremos à Galiza, racharemos a separaçom imposta e conquistaremos a liberdade, com a solidariedade imprescindível do independentismo nas rúas. Hoje em Dueñas, León, Ocaña e Valladolid o C.P.I.G. dirige um saúdo agradecido e generoso aos/às solidári@s galeg@s. Ánimo e adiante!

Viva Galiza Ceive!

Denantes Mortas que Escravas!

 
Mais artigos...
Calendário Ceivar 2015

csc_banner2

Colaboraçom Económica
colab_economica_2014
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

 koala_web

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

antom2014_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

imagem_web_autodefesa

banner_numero_conta_2014