Número de visitas e visitantes distintos ao web nacional de Ceivar alcança um pico ‘histórico’ em Abril de 2008

O trabalho de informaçom e denúncia da repressom que desde Julho de 2005 desenvolvemos do web nacional de Ceivar de maneira quase diária alcançou neste Abril de 2008 um dos seus picos históricos em número absoluto de visitas e número de IPs diferenciadas que acedem à informaçom que facilitamos. O dado resulta mais significativo se trazemos em conta que nesse mês nom aconteceu qualquer facto repressivo mediatizado, como foram no seu dia as detençons de Giana Gomes e Ugio Caamanho, a ‘Operación Castiñeiras’ e o arresto de Jose Sanches e Sánti Vigo em Portozinho, que devido ao circo mediático organizado por volta dos mesmos ‘dispararam’ as entradas ao portal. A mediçom que fazemos descarta pois momentos espectacularizados para constatar que, à margem deles, se produz um aumento continuado de visitas a ceivar.org. Assi, no mês passado, recebiamos 17.058 visitas, acediam ao nosso web 7843 computadores diferentes e tinhamos umha média de 568 visitas diárias, alcançando neste ponto um máximo ‘histórico’ do portal. Diacronicamente, existe um importante salto qualitativo entre a utilidade social e política do portal em Julho de 2005, um ano após iniciarmos um trabalho anti-repressivo regular na Internet, e o momento actual. Potencializar o portal Estes resultados tenhem da nossa óptica maior mérito se trazemos em conta o tipo de informaçom muito específica que achegamos e o auditório real e potencial a que nos dirigimos principalmente, é dizer, sectores sócio-políticos que estám no alvo da repressom política ou nas suas redondezas. Consideramos que a opçom estratégica por umha informaçom nom partidarista que trata de abordar a repressom espanhola como umha globalidade que nom afecta apenas a minoria independentista do País e se estende, de um modo ou outro, a toda a sociedade galega, é umha das chaves deste pequeno sucesso que aguardamos agrandar. Face o futuro entendemos que a repressom nom fará mais do que aumentar e diversificar as suas metodologias e intensidades. O encerramento final do processo de reforma estatutária, a agudizaçom da crise sócio-económica superposta à nossa condiçom crónica de naçom colonizada e dependente, os principais processos repressivos abertos contra organizaçons e militantes independentistas e as tendências securitárias que afectam as ‘sociedades de consumo’ como a nossa farám com certeza que tanto a repressom selectiva quanto a difusa premam com mais força sobre o nosso povo. Neste sentido, aguardamos poder aperfeizoar o nosso trabalho actual, socializar por vias ainda nom experimentadas o nosso web e renovar nas próximas semanas o formato actual transformando-o em outro com mais prestaçons e utilidades. Trabalho voluntário Convidamos finalmente a todos aqueles colectivos sociais em conflito, minorias punidas com especial força pola repressom, associaçons, organizaçons, movimentos, militantes, etc. a servir-se deste meio facilitando informaçons e denúncias que podamos veiculizar através de ceivar.org. O nosso compromisso e enquadramento político-social no Movimento de Libertaçom Nacional Galego é claro e irrenunciável. Contodo, também é igualmente clara e irrenunciável a nossa disposiçom a participar na medida das nossas capacidades na luita contra a repressom que afecta o nosso povo trabalhador.