O vindeiro 17 de Janeiro Diego Lores enfrenta um juízo em que lhe pedem 3 anos e meio de prisom e umha responsabilidade civil de mais de 30.000 euros. A acusaçom particular é a polícia local de Vigo. E nom há acusaçom pública, já que a fiscalia rejeitou já por duas vezes fazer parte do processo contra o ativista. Os polícias locais acusam a Lores de umha suposta agressom contra um agente durante os protestos que acontecerom há dous anos em Vigo, contra o projeto de instalar um barco numha rotunda. Um gasto, que o movimento social sostem muito mais necessário para destinar a questons sociais. “Esta actuaçom nom só é paradigma do pailanismo urbanístico que se está a estender pola geografia viguesa, mas é -e assim foi percibida pola vizinhança- um insulto, umha provocaçom em toda regra. Nom há quartos para pagar as ajudas de emergência, alugueiros ou recibos da luz da cidadania empobrecida, mas sim para instalar um barco numha rotunda.”, explicam no manifesto que impulsou a Asembleia Aberta de Coia, e defendem “Sentímo-nos mui orgulhosos de Diego, umha mais de tantas pessoas que dia a dia nos demonstram como nom sai de graça saír do rabanho. A denúncia das injustiças de este sistema, a contestaçom social, a protesta, som perseguidas e criminalizadas, a pessar de que o nosso ordenamento jurídico diga o contrário. E Diego sempre foi umha das caras mais visíveis da luita da rotunda de Coia, polo que achamos que o seu processamento nom é casual. Pretendem que pague por toda a vecinhança, para que fique claro que sucede com as vozes disonantes.”

O manifesto está disponível para assinar online e conta já com o apoio de um grupo de pessoas conhecidas.

 

Diego Lores absolviçom!