110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

2015021815122097257No dia de ontem começou o juízo contra 7 estudantes em Ourense em relaçom aos protestos que decorreram durante umha greve estudantil em 2012 e que rematou com a toma da Biblioteca Municipal de Ourense. Os delitos que supostamente lhes imputam som “atentado contra a autoridade”, "lesons" e “desordens públicas” ainda que a umha pessoa mais também se lhe imputa “desacato à autoridade” ao ceivar-se dumhas algemas.

Durante a primeira sessom que começou às 10:30 nos Julgados da cidade das Burgas, declarárom os sete estudantes assim como vários polícias. Agás um dos jovens que admitiu ter batido a um polícia, o resto de imputados negárom os factos e incluso denunciárom a hostilidade da actuaçom policial.

Os testemunhos policiais fôrom na mesma linha do que noutros juízos, incongruências, contradiçons, mentiras e “perdas de memória”. Assim foi como um dos polícias mencionou que os acusados incitárom à massa a entrar na biblioteca por cima da polícia mas que nesse momento nom podia identificar a ninguém dos que estava sentado no banquinho. Igualmente outros agentes afirmavam que sim que identificavam “a la mayoría” dos estudantes mas que nom eram capaces de outorgar responsabilidades de delitos concretos para cada um deles. Do mesmo jeito, outro polícia identificou erroneamente por duas vezes a quem dixo que lhe propinara um golpe com um pau na cabeça, desculpou-se alegando que tem o seu rostro gravado mas nom o nome.

Outra das dinámicas que seguírom os agentes foi a de vitimismo. “Me empujaron y me sustrajeron la gorra”, dixo outro dos agentes que ademais afirmou ameaças por parte da manifestaçom estudantil tais como “estamos-vos gravando” ou “polícia assassina”, umhas consignas que som umha constante em todas mobilizaçons devido à repressom com a que atua impunemente a polícia.

Durante o juízo também se apresentou um comunicado do Sindicato Unificado de Policías (SUP) no que se mencionava que o dispositivo fora insuficiente. O juiz nom viu interesse na questom e negárom-se a valora-lo mas tem sua importáncia à hora de dilucidar a improvisaçom na actuaçom policial.

De igual modo um dos polícias comentou: “Teníamos órdenes estrictas de la Consellería de que los estudiantes no entraran a la biblioteca”, o que a efeitos práticos supom umha responsabilidade política de aqueles que ordenárom que menores e/ou estudantes nom entraram num edifício público e que lhes fora impedido ainda que fora pola força.

Pola sua banda a Fiscalia optou por incidir na teoria de que os imputados eram os “que dirigían a la masa” como se ser um referente juvenil puidera ser motivo de delito. Também recalcou que “los estudiates pudieron abandonar libremente la manifestación” com o objetivo de expor que o estudantado que ficou até o último momento estava na procura de conflito.

Finalmente o juízo tivo que continuar noutra sessom devido a que faltavam por declarar vários polícias e outros testemunhas. A defesa solicitou continuar na tarde de ontem para evitar que os polícias falaram entre sim mas esta proposta foi denegada polo juiz consentindo esta irregularidade que permitiu que os agentes foram vistos falando entre eles ainda quando nom todos declararam.

Segunda sessom

Decorreu no dia de hoje e a trajetória foi mui semelhante ao que aconteceu na anterior sessom. Além de ter falado entre eles, os polícias voltárom contradizer-se como por exemplo que um deles vira “a un chico alentando con el megáfono” namentres outros agentes nunca se percataram da presença de tal alto-falante.2015021915154219845

Ao igual, nesta vista deveriam de ter-se exposto as provas de vídeos que alegou ter a acusaçom mas essas provas nom fôrom presentadas, cousa que a Defesa remarcou como óbvio de que no audiovisual reflexaria-se a brutalidade com a que atuou a polícia. Também prestárom declaraçom dous vizinhos que simplesmente aportárom que virom o tumulto de gente mas que nom podiam identificar a ninguém porque estavam de costas a eles.

Durante nas conclussons finais os advogados advertírom as claras intençons por parte da Fiscalia e dos agentes de desmobilizar ao estudantado que novamente o 26F voltará tomar as ruas do País.

Finalmente nom houvo acordo entre as partes já que a proposta eram 6 meses de prisom para cada um dos estudantes polo delito de “alteraçom da orde pública” "lesons" e "atentado contra a autoridade" mas os estudantes imputados negárom-se a aceita-la reinvindando a sua inocência. Para o moço que reconheceu ter golpeado ao polícia, a petiçom da Fiscalia rebaixou-se de quatro a dous anos.

 
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

1 920422340620189774

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014