110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

Transcrevemos os dous últimos posts enviados polo preso independentista galego Ugio Caamanho. Duas breves reflexons centradas nesta ocasiom na pervivência e vitalidade das identidades colectivas como eficaz muro de contençom contra o Capitalismo e a relaçom produtor/consumidor na produçom cultural. 3 de Dezembro de 2005, sábado O discurso mais actual do PP com ser-se contraditório nom deixa por isso de esclarecer bastante bem a questom central do nosso tempo. Pronunciou-no com todas as letras Rajói hoje na celebraçom pseudofascista da Constituiçom espanhola: “Espanha nom é umha naçom de naçons mas de indivíduos livres e iguais, que som os únicos depositários de direitos”. Já o advertira ante o Plano Ibarretxe e noutros discursos, nom existem os sujeitos colectivos, unicamente os indivíduos, por isso os nacionalismos som “gregarismos” irracionais. Contraditório, claro, com a afirmaçom da naçom espanhola e o seu direito colectivo à livre determinaçom, mas ilustrativo da concepçom capitalista do mundo: umha sociedade de negociantes que se compram e vendem cousas entre si, cada um à procura do seu interesse egoísta e “livre” de laços comunitários que o vinculem a umha terra, a umha história e a umha identidade colectiva. Sendo assim, num país composto por cidadaos digamos que tipo neoiorquino ou madrileno ou londinense, sendo assim Rajói levaria razom e o lógico seria olvidar-se da naçom e do nacionalismo (também da naçom espanhola e do seu espanholismo) e converter-se ao cosmopolitismo apátrida, o que em política equivale à partidocracia parlamentar, à representaçom, à participaçom entendida como eleiçom no mercado de programas do que mais favorece individualmente. Felizmente nom acontece assim. Continuam a existir as naçons, as comarcas, os bairros, as classes, as comunidades políticas… Ainda nom somos todos mercaderes e daí que Rajói tenha que insistir na sua doutrina liberal, que compartilha com o PSOE mas que se espeta contra a realidade das identidades nacionais, que deste ponto de vista negam mais do que ninguém o capitalismo, afirmando o vínculo comunal. Por isso nos odeiam. 8 de Dezembro de 2005, quinta-feira “Meros leitores. Receptores passivos dumha cultura produzida por outros. Homer Simpsons atados ao televisor. Consumidores. Este é o mundo da mídia legado polo século XX. O século XXI poderia ser diferente. Esta é a questom crucial. Poderia ser um mundo tanto de escritores como de leitores (e nom falo apenas de textos escritos). (…) A meta de qualquer alfabetizaçom, e desta alfabetizaçom em particular, é <<dar poder à gente para que escolha a linguagem mais apropriada para o que necessitam expressar ou criar>>”. Som palavras de Lawrence Lessig (www.lessig.org), o criador do movimento do Criative Commons contra os monopólios da comunicaçom e a cultura, contra o uso dos “direitos de autor” tipo SGAE e a favor da criaçom, cópia e uso livre das obras culturais, o que hoje se chama “pirateio”. O tema é essencial e estou por dizer que reflexa um dos fenómenos decissivos destas sociedades mercantilizadas: a cisom entre produtor-consumidor que faz com que a nossa atitude ante todos os ámbitos da vida social seja passiva, pura recepçom prévia compra. Lessig fala na cultura, que é a sua guerra, mas nom sobra estender estas noçons ao resto das parcelas sociais: desporto, economia… e política, claro. Porque nom cumprem doses muito grandes de imaginaçom para substituir o oportuno na cita anterior e conseguir a visualizaçom dumha “democracia madura”: meros votantes, receptores passivos dumha política produzida por outros… Contra todo este sistema castrador das dimensons sociais das pessoas há que reagir de vários modos, entre os que os menos importantes nom som os que escamoteiam de facto esta cisom mercantil. O próprio movimento Creative Commons, o software livre, e também a cultura que se gera nos centros sociais nossos: foliadas, grupos de teatro, etc. E também a política, ou antipolítica, entendida como burla ao fetichismo dos partidos: participar na luita política sem atender ao “isso corresponde à organizaçom política”, “isso é cousa dos políticos”, etc. Por exemplo, trataria-se de conceber a cultura como criaçom, e portanto considerar “culto” àquele que se exprime melhor ou pior em linguagens artísticas (compom cançons, desenha, escreve), e nom a quem devora o produzido por outros, e conhece de cor as obras literárias, musicais ou pictóricas dos génios do século XX.
 
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

1 920422340620189774

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014