110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

A partir de hoje e nos vindeiros dias, o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR inciamos umha nova campanha de solidariedade com as/os presas/os independentistas galegas/os. Mediante as aportaçons feitas por familiares e amigas/os pretendemos resgatar algumhas das facetas pessoais e políticas das/os retaliadas/os galegas/os e achegar a visom humana e ativista de quem estám dispersadas/os nas prisons espanholas. Vaia de antemão o nosso agradecimento a todas as pessoas que colaborárom neste projecto.

antomAntom Santos desde a ótica dum companheiro da Agrupaçom de Montanha Augas Limpas (AMAL)

Embora ter de falar da fasquia montanheira do Antom cumpre aclarar que o atletismo é o desporto no que colocou, e coloca ainda hoje malia as restritas geometrias e a ruim alimentaçom que padece no seu sequestro, a sua máxima concentraçom. Dito isto, e como nom disponho de umha cronologia das suas excursons, passo a fazer um pequeno desenho dele usando como lapis algumhas anedotas que partihamos nas rotas da Agrupaçom de Montanha Augas Limpas por esta terra nossa.

Lembro umha conversa na Serra do Gistral, soplando lufaradas de vento adoecido untado numha mesta névoa -por sinal condiçons comuns naquelas latitudes-, na que competíamos ele e mais eu a ver quem ia com um equipamento menos sofisticado: -pois eu debaixo do chuvasqueiro só levo umha camisola curta e umha longa , -pois eu... Traio isto para ir pondo no desenho um dos valores que nom  acostumam a ver-se atualmente na montanha: a austeridade contraposta ao consumismo, mapa e bússola frente a GPS, camisa de quadros frente a tecidos tecnológicos, conhecemento e contemplaçom frente a espectáculo e imediatez... 

Outro aspeto importante para mim, e sobram motivos para dizê-lo, é que este home sempre deposita toda a sua confiança nos e nas companheiras. Para ilustrá-lo deslocamo-nos ate Sam Joám de Rio, no I Acampamento de Montanha da AMAL aló polo 2008. A atividade da manhá do domingo consistiu numha iniciaçom ao rapel, contando com um primeiro contacto muito singelo e de poucos metros e um descenso posterior já de certa dificuldade e altura. O Antom colheu-no com cautela fazendo a primeira prova muito preocupado em levar bem a postura. De seguido piorou o panorama ao ver-se diante da varanda dumha ponte duns 25metros. A cautela mudou em medo, mas confiou plenamente no bom fazer do companheiro que arranjava  as cordas, por sinal pouco esperimentado no quefazer, e alá foi parede abaixo. Isso sim moi pouco e pouco, sem espetáculos, com humildade diante do perigo mas com valentia.

Também é doado salientar do Antom a sua habelência à hora de elaborar resenhas vizosas respeito das rotas, incorporando, como já nomeava antes, o conhecimento em profundidade e palmo a palmo do País. E vem-me à cabeça agora a que responde à rota do Monte Pindo, colgada no blogue da AMAL, ou algum artigo do nosso vozeiro “ a Cabreira” como no que debulha as características do bosque de ribeira. Da mao deste degoiro por nom deixar um beco sem expediçom surgiram  andainas como a das Serra do Careom e o Bocelo, montes pouco conhecidos, pequenos e sinxelos embora igualmente faladores da terra em que vivemos -e o compostelam no seu molho-. Neles no máximo cruzas algumha vizinha, também trabalhadores das empresas eólicas -estas si conhecem a zona- e nunca montanheiros desses que devecem por tirar umhas fotos inesqueciveis e atopar emoçons taquicárdicas.

E quedam, se calhar para que conte ele, as brincadeiras e risadas contundentes, as conversas cotiás, o companheirismo exigente ou, porque nom?, algumha aventura montanheira.
 

concentra_dezembro_h_webDúzias de retaliadas, incontáveis sancionados, duas presas independentistas mais, a Lei Mordaça e a Reforma do Código Penal que avançam, a repressom cernida sobre nós... Este é o balanço que poderiamos fazer do ano que remata mas o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR queremos fazer o nosso próprio: um ano mais acompanhando à Marcha às Cadeias, um ano mais dum sucesso rotundo da Cadeia Humana pola Liberdade das/os Presas/os Independentistas Galegas/os, um ano organizando jornadas e participando nas convocatórias internacionais, um ano de trabalho nas ruas e no invisível, um ano demonstrando a solidariedade galega que é IMPARÁVEL. Estamos e seguiremos a estar, sempre com vós à nossa beira.

Desta volta animamos-vos a participar na última cita solidária do ano, as concentraçons mensais exigindo as reivindicaçons do Coletivo de Pres@s Independentistas Galeg@s (CPIG). Novamente lembramos a importáncia de manter o pulso nas ruas para que as mulheres e homens que estám dentro das prisons em defesa da nossa Terra, nom se vejam invadidas/os nem um só momento polo sentimento de soidade. Trata-se dum caminho que vimos percorrendo durante vários anos mas assim teremos que estar dispostas/os a fazé-lo até que nom se cumpra:

1- Reconhecimento da sua condiçom de prisioneiras e prisioneiros políticos.
2- Fim da política de dispersom penitenciária.
3- Reagrupamento dos membros do coletivo numha prisom em território galego.
4- Cessamento do regime de reclusom nos centros de menores.
5- Melhora geral das condiçons de vida nas prisóns

Neste mês de Dezembro queremos mandar um saudo especial às famílias e amizades das/os presas/os independentistas galegas/os e enviar-lhes toda a nossa solidariedade numhas datas nas que bem de certo as/os botarám em falta especialmente. Vaia o nosso desejo de te-las/os na Terra quanto antes.

BURELA: Praça do Concelho às 20:30h + Ceia Vegana no Xebra Associaçom.
FERROL: Praça do Concelho às 20:00h
PONTE VEDRA: Praça da Peregrina às 20:00h
COMPOSTELA: Praça da Galiza às 20:30h
CRUNHA: Cantón -Obelisco(zona centro) ás 20:30 h
LUGO: Praça Maior às 20:30 + Ceia solidária no C.S. Mádia Leva!
OURENSE: Praça do Ferro às 20:30 + Foliada solidária no Pub Avanti
VIGO:  MARCO (Rua Príncipe) às 20:00h
 

MI_represion_ministerio_00006Com 90 reformas express o Governo Espanhol mudava no dia de ontem toda a regulaçom penal por delitos de “terrorismo”. O procedimento, feito sem o consenso do PSOE e sem ser submetido a informes técnicos, procura penalizar os comportamentos individuais e tipifica a “intençom de formar parte” mais incluso que a própria ejecuçom dos factos.

Nas emendas apresentadas muda-se a exigência de banda armada concentrando-se no indivíduo para assim poder sancionar sem tantos requisitos judiciais. O mesmo acontece com a nova tipificaçom do adestramento passivo/receçom de adestramento por qualquer via desvinculando-a agora com a intençom de cometer um delito posteriormente. Deste modo evitam-se problemas provatórios ante a Lei e abre-se o abano para sancionar penalmente.

De igual modo passa a tipificar-se a mera “intençom”  por entrar em suposto contacto com grupos terroristas ou estar em disposiçom de ser captado. A emenda sanciona com entre um e oito anos a quem incite à incorporaçom a umha “organizaçom terrorista”. A reforma cita no seu artigo artículo 573 bis cita: “Será castigado con una pena de prisión de uno a ocho años quien consulte habitualmente uno o varios servicios de comunicación accesibles al público en línea o adquiera o tenga en su poder documentos que estén dirigidos o, por su contenido, resulten idóneos para incitar a otros o reforzar la decisión adoptada de incorporarse a una organización o grupo terrorista, a un grupo que conspirase para cometer alguno de los delitos del artículo 571 (los de terrorismo) o que hubiera iniciado preparativos para ello, o de colaborar con cualquiera de ellos o con sus fines”.

A todo isto deverá  engadir-se o publicado há ums dias neste site referido a capacidade para abrir investigaçons relacionadas com delitos de “terrorismo” sem controlo judicial até pasadas 24 horas.

As reformas impostas polo Partido Popular som mostradas ante a opiniom pública como medidas na luita contra o “yihadismo” mas o certo é que concorrem na mesma linha das da Lei Mordaça polo que, baixo o guardachuvas do “terrorismo”, serám aplicadas a qualquer manifestaçom subjetiva, pessoal , privada, coleitiva ou pública de disidência política. A suspensom descarada de liberdades fundamentais e a situaçom de excecionalidade repressiva na que colocam à cidadania é capaz incluso de legislar sobre o pensamento das pessoas. Condutas que lindam as ditaturas mais duras do século passado obrigarám a empregar todos os recursos para evitar a repressom e para continuar a viver com dignidade.

 

carcel--644x362O Comité de Direitos Económicos, Sociais e Culturais da Organizaçom de Naçons Unidas (ONU) vem de pedir explicaçons a Espanha por requerir o pago da comida a presos doentes ou maiores de 65 anos que percebem prestaçons nom contributivas. A quantidade solicitada é duns  100 euros mensais, quase o terço da pensom que cobram estas pessoas.

Naçons Unidas decidiu continuar com o processo aberto contra Espanha após o preso social Miguel Ángel Rodríguez, apresentara umha demanda em Novembro de 2013. A demanda fora admitida inicialmente a trámite em Andalucía mas quando foi trasladada ao Estado Espanhol, este considerou que nom procedia a sua admissom.

O assunto fora resolto polo Juzgado de lo Social nº4 de Córdoba que declarou improcedente este pagamento mas o Tribunal Superior de Justicia de Andalucía revogou o falho em 2009 e ao ano seguinte no Tribunal Supremo (por sete votos a seis) declarava lícito o pago. Finalmente o Tribunal Constitucional entendeu que “a pesar de descontar la comida de la prestación, no se puede afirmar que se cobra la manutención de los presos”.  Rematados os recursos em Espanha elevou-se a queixa ante Europa.

O razonamento do Tribunal Constitucional é considerar que a comida que recebem os presos é umha prestaçom social e que, como tal, é incompatível com esas pensons nom contributivas. Sem embargo, os letrados das defesas tenhem-no claro: Si la condena es una manifestación del poder coercitivo del Estado e impuesta por un juez que también es del Estado, es el Estado el que tiene que responder de la manutención del preso”.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR denunciamos este tipo de medidas que atentam contra a comunidade presidiária mais pobre e vulnerável. De igual jeito esta aplicaçom atenta contra o artigo 25 da Constitución Española referente à finalidade da cadeia como reinserçom, o pago da manutençom gera umha série de dévedas às que os presos nem as suas famílias poderám fazer fronte, igual que aos procesos judiciais. As condenas já se pagam mediante a privaçom de liberdade polo que abonar os custes da estáncia pretende ser um mero ato de vingança.

 

10675572_1591860557700097_6149490919389404343_nDurante esta semana a comarca de CEIVAR Compostela descolgou umhas faixas na Facultade de História da Universidade de Santiago de Compostela para reivindicar a repatriaçom do professor Antom Santos. Lembramos que Antom Santos está preso desde Dezembro de 2011 devido a sua militáncia independentista. Detido, incomunicado durante vários dias, julgado por um Tribunal de Excepçom e condenado a sete anos e nove meses de prisom, atualmente Antom Santos está dispersado na cadeia de Dueñas (Palencia).

Desde a sua detençoma Facultade de Geografia de História fijo um mutismo absoluto a respeito da situaçom do professor Santos, dando por boa a “versom oficial” dos factos e negando-se incluso a reivindicar a permanência de Santos num cárcere instalado na Galiza. Esta atitude contrasta abertamente com a do Doutor agora preso, home comprometido a fundo com este País e com a sua profissom, docente e investigador histórico de reconhecido prestígio com várias publicaçons e trabalhos e bom companheiro dos seus companheiros/as como certificam todas/os que o conhecêmos pessoal e profissionalmente.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR apelamos à comunidade universitária que tome parte e denuncie o caso do professor Antom Santos e que exija a sua imediata às àulas da que ele forma parte.

 

00_camion_aguaA repressom nunca deixa de surpreender-nos e as imagens falam por sim mesmas. Desta volta a Policía Española recebeu nas suas instalaçons o novo camiom lança-chorros com o propósito de ser empregado nas manifestaçons sociais e políticas e com um custe que ascende quase aos 500.00 euros. “Un vehículo de este tipo es necesario. No es un capricho nuestro”, afirmou  Florentino Villabona, Comisario general de Seguridad Ciudadana, do que dependem todas as unidades anti-distúrbios do Estado Espanhol.

Esta nova ferramenta repressiva viajará por todo o Estado acompanhado dum condutor e dous ajudantes. A diferença dos que já existiam (havia cinco parecidos a este com umha capacidade de 4.000 litros) os novos conterám 7.000 litros de auga e um depósito de 60 litros de colorante funcionando com umha pressom mínima de 10 bares e umha máxima de 16. É precisamente a força do disparo o que está suscitando mais reaçons controvertidas “si te da a corta distancia, te pega un leñazo que te tumba de espaldas y te puede causar daños”, comentou um próprio polícia anti-distúrbios que duvida que esta arma seja menos lesiva que as pelotas de goma. Pola contra, Villabona di te-lo claro: “Si te da el chorro, no te pasa absolutamente nada. Es menos lesivo que otras cosas. No me consta que haya muerto nadie por el impacto del agua. Lo utilizan las policías de Francia, Polonia, Alemania...”, mas o certo é que este artefacto de tal magnitude somentes se emprega em Europa em Inglaterra, Irlanda, Finlandia, Malta y Andorra.

Além disto os comentários emitidos por outros agentes alertam da vulnerabilidade do camiom já que só poderám manobrar em espaços amplos e “otro problema es si los alborotadores consiguen inmovilizarlo pinchándole una rueda por lo que requerirá llevar al lado un grupo de infantería de protección compuesto por entre 15 y 20 agentes”.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR denunciamos este e qualquer tipo de armas que se empreguem para reprimir as legítimas demandas dos Povos. Os orçamentos adicados a conter a raiva e o descontento social assim como  praxe da oligarquia política evidenciam a quem serve os mercenários. Hoje, mais que nunca, e a medida que avança a repressom, a nossa solidariedade terá que ser imparável.

 
Mais artigos...
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

1 920422340620189774

raul_web

maria2014_web

edu_web

teto_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014