110276-crumpled-paper-icon-social-media-logos-rss-cube

esculca_logo_124A continuaçom reproduzimos a informaçom emitida polo Observatorio para a Defensa dos Direitos e Liberdades  EsCULcA na que o seu presidente, Fernando Blanco Arce, apresenta um escrito ao Mecanismo de Prevençom da Tortura ante os maus tratos recebidos polo preso independentista galego Antom Santos.

“Fernando Blanco Arce, na súa condición de Presidente da Xunta Directiva de EsCULcA, dirixiu escrito o 2 de xuño ao Mecanismo Nacional de Prevención da Tortura (MNPT) en que reclama unha actuación inmediata en relación á noticia aparecida en diferentes medios de comunicación sobre posíbeis malos tratos ao preso galego A.S., interno no cárcere de Dueñas (Palencia).

No seu escrito, Fernando Blanco Arce lembra que, segundo a información publicada, funcionarios penitenciarios terian entrado na sala onde se encontraba A.S., despois de manter un vis-à-vis familiar, para practicarlle unha revisión de nu integral, ao que o interno non se negou en ningún momento. Si requeriu no entanto poder vestir unha bata, como dita a norma regulamentar, entanto se practicaba a inspección. Petición denegada polos funcionarios que responderon agarrando con violencia e arrastrando A.S. en aplicación arbitraria do art.72 RP, o que provocou ao preso hematomas e equimose en varios pontos do corpo.

EsCULcA  solicita a MNPT que exerca as competencias que lle son conferidas polo Protocolo Facultativo da Convención Internacional para a Prevención da Tortura e compareza por medio de comisionado no CP de Dueñas a fin de manter entrevista reservada co preso A.S. e proceda a incoar expediente a fin de prevenir situación de tortura/tratos degradantes no penal.”

Escrito ao completo no seguinte enlace: Texto do escrito

 

cartaz-qA continuaçom fazemo-nos eco das jornadas anti-repressivas que terám lugar em Ourense entre os vindeiros 4 e 18 de Junho.

“As Xornadas Anti-Represivas xorden como un proxecto entre xente de diferentes colectivos e movementos. Como resposta perante a necesidade de divulgarmos as formas de represión (vellas e novas) que, a día de hoxe, ameazan as liberdades do pobo. Precisamos, logo, de ferramentas para as combater con éxito, pois onde hai loita hai esperanza, mais tamén pontos de represión que habemos superar tecendo redes de apoio.

As actividades que conforman as Xornadas abranguen distintos eidos da represión: A Lei Mordaza, a seguranza na rede, os efectos psico-sociais do medo, a represión do estudantado ourensán, a tortura física e psicolóxica e a privación da liberdade, entre outros.

As Xornadas Anti-Represivas desenvolveranse ao longo do mes de xunho en Ourense. Cada actividade levarase a cabo nun ponto distinto da cidade das Burgas: centros sociais e culturais, tabernas, bares, prazas e na propia rúa.

Co obxecto de transcender o formato de charla, procuramos outras fórmulas de abordarmos a temática da represión mediante dinámicas, obradoiros, a performance e o teatro.”

INFO ao completo:https://xornadasantirepresivas.wordpress.com/

 

palestra_transiom_e_repressom_compostela_20150603_webA vindeira quarta feira terá lugar em Compostela a palestra “Transiçom e repressom” organizada polo Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR. Esta segunda parte que é a continuaçom da palestra “Franquismo e repressom” voltará estar a cargo do historiador argentino Julio Lisandro Cañón Voirín quem está especializado nas matérias do terrorismo de Estado e nos discursos da direita.

Nesta exposiçom oral irá a debate a mal chamada “transiçom espanhola” e como a repressom que enfrontamos hoje em dia guarda muitos paralelismos com as situaçons que vivemos a cotio já que muitas das personagens e dos mecanismos som os mesmos. De novo, uma excelente oportunidade, sem dúvida, para convidar à reflexom de cara onde imos mas também oferece a possibilidade de comparar com outros regimes ditatoriais como foi o argentino.

Dia: 3 de Junho
Lugar: Facultade de História da USC aula nº9 (Compostela)
Hora: 19.30h
 

CGLWIr0WEAEnmcaNesta manhá várias faixas fôrom penduradas na Facultade de História da Universidade de Santiago de Compostela onde, o atual preso independentista Antom Santos, era professor até o momento da sua detençom em Dezembro de 2011.

Com este facto reivindicativo tentou-se pôr em conhecimento público a agressom que sufriu Antom Santos na prisom de Dueñas na passada terça feira, mas também que a comunidade universitária da USC implique-se na situaçom do professor.

Desde CEIVAR fazemos um chamado a acudir no dia de hoje às concentraçons mensais convocadas como todas as sextas feiras de fim de mês e ainda hoje mais para demonstrar a enérgica denúncia aos maus tratos recebidos nesta semana contra Antom Santos.

 

AntomSantos1-624x885A passada terça feira (26 de Maio) o preso independentista galego Antom Santos procedeu a um vis a vis familiar. Após a visita, três carcereiros entrárom na sala de vises onde se atopava o preso independentista com a intençom de fazer-lhe um cacheio integral sem proporcionar-lhe a bata reglamentária. É entom quando Antom Santos se nega ao cacheio e dous dos funcionários começárom a forcejear com o preso namentres o outro carcereiro simplesmente olhava.

O saldo desta situaçom violenta foi que Antom Santos rematou com todo o corpo ateigado de hematomas e posteriormente foi conduzido a umha cela de isolamento durante 24 horas com a aplicaçom do artigo 72. Estar em isolamento é sinónimo de estar numha “cela de castigo” onde nom podes aceder a nengumha das tuas pertenças e incluso retiram-che os cordons dos sapatos, algo similar ao que acontece quando se está detida/o. Durante essas 24 horas o preso independentista galego negou-se a ingerir nengum tipo de alimento e depois foi conduzido à sua cela habitual.

As medidas a tomar já estám em curso. Polo momento está posta já umha denúncia ante o Tribunal de Vigilancia Penitenciária e a ela engadirá-se a que apresente a Defesa de Antom Santos.

Desde o Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR denunciamos energicamente esta nova tortura contra as/os presas/os independentistas galegas/os e a impunidade com a que atuam o funcionariado dentro das prisons. O Estado Espanhol leva já cinco condenas por torturas emitidas polo Tribunal Europeio de Direitos Humanos e umha saçom de 200.000 euros que evidentemente seremos todas/os quem a pagaremos. É claro, em Espanha tortura-se! Basta já de torturas! Basta já de impunidade!.

 

CEVgJhKWEAAem90Galizaleak é umha assembleia de galegas/os na emigraçom que há ums meses começárom a trabalhar para desterrar a estigmatizaçom e os preconceitos existentes sobre a Galiza com o eixo de promover orgulho de País e de Língua. Com este galho, para esta fim de semana organizárom umhas jornadas em Bilbo nas que se pretende dar umha panorámica das diferentes dimensons galegas.

Esta será a sua primeira atividade e para a mesma estám convocadas/os músicas/os, artistas, um sociólogo mais umha membro da Asamblea Cultural Galega de Barcelona. Igualmente, dentro do enquadre que se tenta transmitir da Galiza, também participará um membro do Organismo Popular Anti-repressivo CEIVAR com o objetivo de dar a conhecer a situaçom repressiva que afrontamos de cotio as/os galegas/os e também das/os presas/os independentistas.

Desde CEIVAR queremos parabenizar a Galizaleak por esta iniciativa e animamos aos coleitivos de galegas/os residentes na emigraçom a incidir na linha de dignificaçom do nosso País.

 
Mais artigos...
Teimudamente Alçadas!
teimudamente_alzadas
Manual de Segurança para Ativistas
manual_segurana_2015
O Teito é de Pedra
mostra_capa
Lei de Segurança Cidadá
LSC_2014web
Endereços d@s Pres@s

raul_web

edu_web

teto_web

Atópanos nas redes sociais



feisbuk

banner_numero_conta_2014