Quem quiger informar-se dos graves casos de vulneraçom de direitos humanos nas cadeias espanholas terá que mergulhar, obviamente, bem longe da mídia dominante. Mas também muito além da prática totalidade da imprensa nomeada progressista, que tem estabelecido nos últimos anos umha clara divisória entre presos políticos ‘bons’ (pacifistas, em regime de vida ‘ordinário’ e com certos direitos penitenciários) e ‘maus’ (acusados de delitos violentos, encerrados em 1º grau e privados dos direitos que assistem à maioria das presas e presos). É por isso que boa parte do público leitor galego ignora as condiçons de vida dos presos arredistas do seu país, como também as do colectivo de presos comunistas e antifascistas ligados ao PCEr e o GRAPO, alvo dumha das campanhas de ensanhamento estatal mais intensas em corenta anos de Regime. Sítios web como http://www.presos.org ponhem a sua focagem na denúncia da situaçom deste colectivo militante.